Dermatite Perioral

Dermatite Perioral

A doença afeta principalmente mulheres na faixa entre 15 e 45 anos, sendo menos comum em homens. Também pode afetar crianças de qualquer idade.

A maioria das pessoas com dermatite perioral se encontra em uso de corticosteróides tópicos na pele da face, principalmente os fluorados, ou de corticosteróides inaláveis para tratamento de alergia respiratória. Também há outros aspectos envolvidos na dinâmica da doença como o uso de cremes cosméticos, de maquiagens, de filtros solares, de pastas de dentes fluoradas; da falta de higiene; de mudanças hormonais ou do uso de contraceptivos orais.

A causa da doença não é bem definida, mas parece estar relacionada a disfunções da barreira epidérmica, alterações da microflora cutânea e ao sistema imune da pele.

A dermatite perioral se manifesta como erupção facial formada por pequeninas pápulas (lesões elevadas) avermelhadas, eritema (vermelhidão), ressecamento e descamação da pele, podendo haver também a presença de pústulas em alguns casos. Uma fina faixa de pele, mais próxima dos lábios, costuma estar poupada. Também pode surgir ao redor das narinas (perinasal) e dos olhos (periocular). Pode ser unilateral ou bilateral e os sintomas associados costumam ser de coceira e sensação de queimação na pele.

A dermatite perioral costuma responder bem ao tratamento, mas podem ser necessárias algumas semanas para uma melhora importante ser percebida em casos intensos e/ou de longa duração. É fundamental interromper o uso de cremes contendo corticosteroides, evitar o uso de sabonetes agressivos e cosméticos até  melhora do quadro.  Quanto à terapia específica, há inúmeros tratamentos que podem ser indicados pelo médico dermatologista, de acordo com cada caso.